terça-feira, 30 de outubro de 2012

Pedaço de mim


O que começa mal, termina mal.

Ontem, no Rio de Janeiro, aconteceu um fato trágico.
Cinco adolescentes pegaram um carro para fazer  um passeio. Durante esse passeio, guardas da polícia militar desconfiaram da caminhonete e mandaram encostar. A partir daí começou a triste estória... Ao passarem pela batida policial, um dos pneus do carro estourou, causando um barulho que assustou a um policial, que imaginou estar sendo atacado com tiros provenientes do carro. O policial revidou. O adolescente de 17 anos, que dirigia o carro, morreu na hora.
 
Todos estão condenando o policial.
 
Quero deixar claro que não sou parente, nem amiga de nenhum policial, nem mesmo conheço as partes envolvidas, mas toda estória tem dois ângulos. Vamos pensar... cinco adolescentes farreando em um carro. Isso é contra lei, é arriscado, provavelmente estavam sob a influência de álcool... onde estavam os pais dessas crinaças? Quem emprestou a chave do carro para eles sairem? E se ao estourar o pneu eles perdesssem a direção e todos morressem? E se quando o pneu estourar eles tivessem atropelado inocentes? Nenhuma dessas questões foi mencionada, quando a população do bairro saiu à rua para protestar.
 
Realmente, o acontecido não tem como ser remediado, não há outra palavra que não fatídico. Sim, concordo que o policial não poderia ter confundido o barulho do estouro do pneu com um tiro, mas, nas ruas, diante de tudo o que acontecem com eles, imagine-se no lugar deles. Já morei em comunidade, sei o que é viver com medo, sei o que é ouvir um barulho e pensar que a casa está sendo invadida, ouvir fogos e imaginar que está acontecendo uma invasão da polícia ou uma guerra entre bandidos. Então, não dá para condenar a atitude do policial, humano, passível de erros, ter cometido o engano.
 
Não quero causar polêmicas, mas tudo o que acontece é reação a nossos atos. Se ao invés de pegarem o carro tivessem pedido o tal lanche por telefone, não teria acontecido ou se a mãe que emprestou o carro tivesse levedo os adolecentes na lanchonete também não... mas tudo tem sua hora, e tinha que ser agora, tinha que ser dessa forma e nesse momento.
 
Rezo para Deus aliviar o coração desses pais e familiares e para o policial tirar algum aprendizado desta terrível tragédia. Que nenhum deles guarde raiva e que perdoem-se. Que possam sentir a presença de Deus neste momento difícil e para que o jovem que nos deixou encontre a paz e o acolhimento nos braços carinhosos de nossos guias espirituais.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

O Rio de Janeiro pós 7 de outubro

O Rio de Janeiro continua sendo uma das cidades mais lindas do mundo. Temos belas praias, montanhas, paisagens de tirar o fôlego. Mas em termos de infra estrutura, a cidade sofre.
 
Os investimentos anuais são de bilhões de reais, mas para onde vai este dinheiro?
 
Ainda temos bairros que não possuem rede de esgoto. Você imagina uma coisa dessas em uma cidade com o potencial turístico do Rio de Janeiro? Parece até que ainda estamos no século XIX, onde se gritava:"Lavai água!" para se despejar um pênico sujo no meio da rua.
 
O povo votou, teve a chance de mudar, mas continuou acomodado. Manteve um prefeito que não trouxe nada. "Criou" (podemos dizer isso?), o BRT, que até ajudou um pouco na fluidez da Av. Pres. Vargas, mas refletiu no trânsito da Leopoldina. Aprovou a destruição do Veaduto da Perimetral, que é uma alternativa mais rápida de saída da Av. Brasil para a Zona Sul para desviar o trânsito que hoje é por cima do porto para debaixo dele, o que não alterará o trânsito da rodovia e não melhorará a qualidade do transporte público.Imagine-se em um trânsito de duas horas, no calor de 36 graus em um ônibus lotado, sem ar condicionado e sobre a terra... Gostou? Eu não...
 
A maior parte dos moradores da nossa cidade são de classe baixa e encantaram-se com um ou dois conjuntos habitacionais entregues e com um teleférico ridículo (que nem funciona o dia todo) e com o caos em que a cidade se encontra com a construção da Trans Carioca.
 
A verdade é que o Rio de Janeiro não é comandado pelos cariocas, não é comandado pelo Prefeito nem pelo Governador. O Rio de Janeiro é comandado pela mafiosa rede de empresas de ônibus. Todas essas obras, colocarão nas ruas mais centenas de ônibus, que gerarão muito mais trânsito e muito mais poluição, muito mais calor, caos, irritação e descontentamento. Você acha que o aumento do tempo para uso do bilhete único irá aumentar por que??
 
Um estudo mostrou que subiu em 60% a compra de carros pelos cariocas, isso porque não suportamos mais o transporte público daqui. Se vamos de metrô, a malha metroviária é ridiculamente pequena e só abrange poucos bairros, os vagões são cheios e nem sempre tem ar condicionado, é um transporte que poderia ser considerado "transporte de carga". Se vamos de ônibus, nem sempre eles param para você entrar, nem sempre eles param para você sair, eles demoram para passar, grande parte dos motoristas estão estressados por desempenhar o papel de motorista e cobrador e não é fato isolado largarem o volante com o ônibus em movimento para dar troco. A maior parte dos ônibus são desconfortáveis e principalmente os que rodam nos subúrbios e na zona norte não possuem ar condicionado e são velhos e vivem quebrando nas ruas, atrapalhando ainda mais o que já é ruim.
 
Nenhum dos candidatos em potencial era de todo bom, mas também não eram de todo ruim, mas se já esperimentamos o ruim, por que não trocar, as mudanças muitas vezes são necessárias, não podemos ficar acomodados em uma situação ruim com medo de dar um passo à frente.
 
Já disseram que  o jovem é o futuro e nós já fomos jovens, então somos o presente. E o presente não tem cara boa, sinal que não aprendemos nada. 
 Tá ai o seu voto...


sábado, 6 de outubro de 2012

A democracia do terceiro mundo

Amanhã é dia de votação e a democracia donosso pais nos obriga a votar. Irônico não?!

segunda-feira, 1 de outubro de 2012