domingo, 5 de abril de 2015

Simplicidade

Todos diziam que Diocleciano era feio, pois trazia em seu rosto todas aquelas marcas. Eu o achava lindo pois quando ele sorria, todas aquelas linhas sorriam com ele. Todos diziam que Diocleciano era burro, pois não sabia ler. Para mim, ele era o homem mais inteligente do mundo. Sabia dizer com precisão, só de olhar para o céu se iria chover, se a vaca daria cria naquele dia só de olhar para ela, se o ovo estava choco ou se o cão estava doente. Todos diziam que Diocleciano era tolo,pois deixava-se zombar por quem quer que fosse. Eu o achava tão sábio... É difícil encontrar a mansidão quando se é ferido. Todos falavam de Diocleciano, ou isso, ou aquilo. Diocleciano era o único que não falava de ninguém. Eu via Diocleciano e ele me via.Na verdade, acho que ele via mais do que qualquer um de nós. Sempre tive a impressão que os olhos dele enxergavam dentro da gente. Todos abusavam de Diocleciano colocando-o para as piores tarefas. Ele não se importava, metia o chapéu na cabeça e ia. Um dia Diocleciano foi. Para onde, não sei. Fiquei sem ele, sem seus olhos de águia, sem sua risada contida, sem seu cheiro de suor e capim. Nunca disse para Diocleciano o que sentia ou o que pensava. Nunca falei que ele era importante, sábio ou lindo. Nunca. Acho que Diocleciano se foi, não por causa de todos e sim por causa de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário!
Beijinhos!
Erica